Loading...

THE YELLOW BOY E STONE VALLEY

Stone Valley
Com o uso da técnica analógica, as imagens proporcionam uma distinta relação entre percepção, memória e materialidade através de múltiplas exposições de um mesmo “frame” à luz criando diversas dimensões.

The Yellow Boy
Inspirado em Clockwork Orange e nos recentes acontecimentos políticos globais, The Yellow Boy é uma série pensada como parábola do estado em que o mundo se encontra. O uso de filmes vencidos favorece imagens de alto contraste que ajudam a enfatizar a postura séria, e de alguma forma romântica do jovem, criticando de modo sutil a masculinidade e o poder.

A FOTÓGRAFA

Julieta Schildknecht é uma nômade. Ou melhor, está nômade, e a sua fotografia lhe acompanha por onde vá. Não como um acessório, uma mala ou um peso. Ela, a fotografia de Julieta, analógica por escolha da autora e com o seu próprio tempo, é um lenço leve que Julieta usa para esquentar a sua garganta que parece sempre querer dizer: entre dois mundos, Brasil e Suíça, escolho os dois. É também uma voz que fala a língua da natureza, como na série Stone Valley, onde Julieta empilha imagens feitas no passado e deixa que o acaso marque o papel em múltiplas exposições, conectando assim, metaforicamente, os mundos dos Alpes com o das florestas luxuriantes do Brasil. Em The Yellow Boy, um doce e indiferente menino, segura um globo como se aquilo não lhe pertencesse, como se fosse só uma pose para a câmera. O amarelo intenso das fotos queima diante do olhar do espectador. O mundo em chamas, o menino arde, o planeta virou uma bola de fogo. Tudo derrete. Mas o lenço de Julieta não se afeta e está lá. Lhe protege a garganta.

A EXPOSIÇÃO

Abertura das exposições Fábio, 2003 de Bruno Morais, Sagradas Famílias de Claudia Mauad e Bruna Andrade, Retrato Falado de Chico Amaral, The Yellow Boy e Stone Valley de Julieta Schildknecht e Retrato Falado de Tatiana Altberg.

Abertura: 02 de agosto de 2018, 19h00
Local: Villa Aymoré
Ladeira da Glória, 26 • Glória • Rio de Janeiro

2018-12-28T03:49:49+00:00